Indica #5

sobre afetos_

quem Indica nessa edição é Matheus das Dores.
uma indicação de afetos, músicas e amizades com Bruna Leonardo.

Na vida da gente, às vezes, passam alguns fios que nos conduzem, e esses fios são tão intensos que não basta conduzir tem que mudar a gente. É tipo um choque elétrico capaz de mudar nosso código genético. E eu acho que é isso mesmo. Mas falar da Bruna só como esse fio condutor é muito injusto com ela. Porque ela é estrela, ta bom? Mas também é gente.

A militância dela me moldou e molda de uma forma que à vezes eu não consigo acompanhar, é uma força tão poderosa de destruição de estruturas e construção de nós que faz a gente ser mais humano, ou talvez mais animal, ressaltando nossa animalidade, e a importância de olhar pro outro como igual. O ser humano tem disso né, gosta de ser melhor em tudo, mas vem pessoas com um poder imenso como a Bruna que transforma isso de uma forma que você muda, é inevitável.

Mas não quero falar só sobre isso, quero falar da Bruna gente, minha amiga palhaça que ama falar bobagens e ri das minhas piadas mais sem graças, daquela que é super amiga e fica do seu lado nos seus momentos mais triste. Naquela pessoa maravilhosa que é super alto astral e faz seu carnaval ser super hiper mega especial. Olha eu amo muito mais essa Bruna, sabia. Aliás eu aprendia amar. Que pessoa meiga e sensível. Que erra também, erra porque é gente, porque tem que errar, porque precisa aprender. Que tem seus probleminhas psicológicos (tamo junto, miga). O meu olhar pra essa Bruna, mudou profundamente quando ela se permitiu viver pra ela. E viver pra ela significa muito quando falamos de pessoas trans. O corpo dela é politico, mas ela continua sendo gente e tá liberado se estrepar (que eu já tô com meu paninho aqui pra passar pra você sempre que você precisar); tá liberado sentir dor, cair, se levantar, seguir em frente; tá liberado SER FELIZZZZZ; tá liberado beijar; tá liberado fazer novas amizades, viajar.

Bruna, ver seu desabrochar foi uma das experiências mais gostosas que eu já vivi nessa vida. Eu sempre te falo isso, né. Mas quero te falar uma coisa boba. Eu também desabrochei, eu também comecei a viver naquele exato momento que você me deu a mão e disse “vamos?”. Minha barriga também gelou, meu coração pipocou, e eu tremi, e eu fui, me liberei de muita coisa que me fazia, porque você esteve do meu lado e não deixou esmorecer, VOCÊ ME LEVANTOU VÁRIAS E VÁRIAS VEZES, lembra? Pois é. Eu prefiro todos os dias essa Bruna. E muitas vezes fiquei com ódio de ter que te dividir com a militância. Mas sei como sua luta é extremamente importante pra você, sei do sentido que ela dá na sua vida. Você é gigante demais pra se preocupar só com você, você é empática demais pra conseguir as coisas só pra você, "se não for pra todas as pessoas eu não quero", é isso que eu acho que deve passar dentro da sua cabeça. Tudo bem eu aceito dividir com seu ativismo tá!

Olha pra você eu desejo amiga nesse dia tão importante, próximo da data do seu renascimento, mais vida, mais trajetória, mais historias, e mais coragem de ser quem você é! Você é importante pra caramba, pra mim pela sua amizade companheirismo e força (eu sou muito mais feliz tendo você na minha vida), pra sociedade, seguindo seu fio de destruir estruturas engessadas, duras, que parece muitas vezes inquebráveis, e construindo por onde você passa uma sociedade de amor e de empatia.
Muito obrigado amiga irmã que amo tanto por você ser quem é e não ter medo disso!

Vou mandar um vídeo porque essa revista se trata de afetos.
Tenho pesando muito sobre isso.
O que é afeto? Tem uma antropológa, Favret Saada, que faz uma etnografia falando sobre ser afetado. Como que o campo, introduziu nela um poder de empatia ao ponto que a realidade do outro passou a ser dela, e ela se sentiu afetada.
Não sei da origem do afeto, mais sei algumas coisas sobre isso.
Ser afetado.

O vídeo que eu indico é sobre isso.