Editorial #1

Em sua primeira edição, a revista_ duas cabeças quer sair do armário!

Há pouco mais de um ano, o cantor Gabeu lançou Amor Rural. Seu single de estreia veio cheio de trocadilhos, musicalidade sertaneja e uma proposta: “vamo assumir o nosso amor”.
Há pouco mais de seis anos, um grupo de pessoas se juntava no Restaurante Universitário (R.U.) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) fazendo a mesma proposta: “sai desse armário”. E, meses depois o Coletivo da Diversidade Sexual e de Gênero Duas Cabeças era lançado no auditório do Direito às 18h.

É sobre isso que queremos falar aqui.
Essa história que queremos contar.

Como um Coletivo sai do armário? Que inícios? Que novos possíveis são inaugurados? Que processos são esses de se assumir? O que pra gente tem sido sair do armário? Que armários são esses? Assumir o que?
Tudo isso bem misturado e em quantas mídias pudermos ocupar.

Nessa edição você encontra: uma colcha de retalhos contando que foi o início do Coletivo e uma galeria de fotos desse momento; um perfil de um ex-integrante contando como chegou àquele espaço; um trecho da conversa sobre heterossexualidade e desejo; uma ilustração em tirinhas daquilo que aprendemos com um planeta; uma dica acadêmicaH de leitura sobre os movimentos que antecederam o Coletivo Duas Cabeças; uma playlist babadeira para ouvir fora do armário (com Gabeu, inclusive); um teste capricho pra você se divertir e saber o que precisa assumir logo; um podcast gravado exatamente para pensar o “se assumir”; uma reflexão entre parênteses sobre comédias românticas e band-aid; uma poesia em audiovisual de thamara selva, no convida; além de uma seleção de curtas que a gente indica.

Tudo isso embalado no melhor estilo neon de quem já saiu do armário brilhando.
As ilustrações de cada sessão são feitas pelo editor e as capas são imagens dos preparativos de lançamento do Coletivo e trazidas aqui, alguns anos depois, pra atualizar em cores o desejo do novo, da luta, da indignação e da comunidade.

Então é isso, como canta Gabeu:
“Ah, já passei tanto tempo só sentindo vontade / Cada pedaço dessa roça esconde a verdade / Por dentro dessa mata não falta desejo”.
Não falta desejo de assumir, não falta desejo de sair do armário, não falta desejo de experimentar esse fora.

Vem por nosso curral, vem!

sai desse armário e vem pro meu curral_

texto e ilustração: neilton dos reis, editor

Design%20sem%20nome_edited.jpg