Editorial #2

“Você sabe quem sou eu?”.
Não, não sou Natasha Caldeirão, mas esse editorial é pra tentar entender “o que que tá acontecendo?”!!

Há um mês foi lançada a primeira edição da revista_ duas cabeças. Entre armários escancarados, cores e neon, quisemos sentipensar um pouco o que é se “assumir”, quais são nossos armários e como são os inícios. O lançamento de uma primeira edição produzindo memória sobre o lançamento de um Coletivo da Diversidade Sexual e de Gênero.
Continuamos nessa trilha. Dessa vez nos espaços públicos, na cidade e na rua com Natasha Caldeirão, querendo saber... “e aí bicha”, da onde?

Que local que a gente tem? Como a gente ocupa o espaço público? Que cidades estamos? Como os lugares fazem parte das nossas relações, das nossas memórias, das nossas invenções? Como um Coletivo se entende local?
É sobre tudo isso e nada disso que escrevemos, filmamos, cantamos, dançamos.
Tudo isso bagunçado entre as mídias que conseguimos ocupar.

Nessa edição você encontra: pra começar, uma playlist daquele jeito para acompanhar toda leitura; uma colcha de retalhos contando da relação do Coletivo Duas Cabeças com o espaço público e uma galeria de fotos de como foi botar a cara no sol na cidade; um relato daquilo que aprendi no coletivo; um perfil de ex-integrante dizendo das diferenças de locais; um trecho da conversa de como Juiz de Fora trata questões de gênero e sexualidade e diversidade; uma conversa na íntegra sobre uma pesquisa de afetações e memórias na cidade; um cover de Forgive Me por OMAR, no convida; um relato de uma pesquisa em construção; uma dica acadêmicaH de leitura sobre desobediência e ocupações; um livro em poesia marginal que a gente indica; uma resenha inventiva do novo ep de Lau e Eu; um novo teste capricho pra você saber tudo o que dá pra fazer no teu local; além de uma reflexão entre parênteses sobre comédias românticas e locais.
Tudo isso entre fotografias e ilustrações do editor.

E, pera aí, quem é você que vem aqui na rua e tá dando uma de policial? Quem é você pra falar assim comigo? Quem é você pra falar assim comigo, “e aí bicha”, querida?
A gente tá que nem Natasha Caldeirão, ATENTA aos movimentos da rua e não vamos deitar pra lgbtqiafobia.
O espaço é todo nosso.
Já sabendo que se der treta, MIRELLA, CORRE AQUI.
A gente tá lançada. A gente tá na rua.

Vem com a gente, vem!

mirella, corre aqui_

Image-empty-state_edited.jpg

texto e ilustração: neilton dos reis, editor